Home / Artigos / RESULTADO DO 1º TRIMESTRE 2016: PERMANECE LUCRATIVA E COM FORTE GERAÇÃO DE CAIXA

RESULTADO DO 1º TRIMESTRE 2016: PERMANECE LUCRATIVA E COM FORTE GERAÇÃO DE CAIXA

RESULTADO DO 1º TRIMESTRE 2016 :

PETROBRAS SOFRE COM VARIAÇÃO CAMBIAL E QUEDA NO VOLUME DE VENDAS, MAS PERMANECE LUCRATIVA E COM FORTE GERAÇÃO DE CAIXA 

Cláudio da Costa Oliveira

Existem dois aspectos que tradicionalmente afetam os resultados da Petrobras, que são as variações no preço internacional do barril e no cambio.

Como já afirmamos outras vezes, a queda no preço internacional do barril, diferentemente do que ocorre com outras petroleiras, melhora o resultado da Petrobras e sua geração de caixa, pois reduz o pagamento de royalties e participação especial e aumenta a margem na revenda de combustíveis importados.

Já a desvalorização do real frente a outras moedas, como em qualquer  empresa que tenha dividas em moedas estrangeiras, aumenta os gastos com juros e em função da correção da dívida eleva as despesas com variação cambial.

Atualmente um terceiro aspecto tem se mostrado relevante, que é a queda no volume de vendas no mercado interno. Esta queda não está ocorrendo apenas pela redução do consumo  no Brasil mas também pela entrada de concorrentes tomando mercado da Petrobras, aproveitando as diferenças no preço do combutível no Brasil em relação a outros mercados.

Recentemente houve a divulgação de que a Petrobras estava estudando reduzir os preços dos combustíveis. Na época muitos “especialistas” disseram que o governo estava , por motivos políticos,  pressionando a empresa a reduzir preços.

Acreditamos que  a Petrobras estava simplesmente estudando uma forma de combater esta concorrência danosa. Este é um assunto que merece um acompanhamento especial.

De qualquer forma, apesar do prejuízo de R$ 1,25 bilhões apresentado neste primeiro trimestre (que poderá ser revertido já no segundo trimestre) a empresa registrou um lucro bruto de R$ 21 bilhões  e um lucro operacional de R$ 8,1 bilhões.

As notas explicativas às Demonstrações Financeiras do 1º trimestre de 2016 informam (sic) :

“Pelo quarto trimestre consecutivo, a Companhia apresentou fluxo de caixa livre positivo, totalizando R$ 2,381 milhões, em função das maiores margens de diesel e gasolina no mercado interno, menores gastos com participações governamentais no Brasil e importações”

Como sempre colocamos, este é um dos efeitos positivos da queda do preço internacional do barril, que na Petrobras, tem um efeito inverso ao que ocorre com outras petroleiras

A liquidez corrente está  em 1,36 e a liquidez imediata em 0,72, o que significa que a empresa não tem problemas financeiros de curto prazo (1 a 2 anos). Apesar de alguns apologistas do caos, por interesses próprios, afirmarem que a Petrobras necessita de aportes do tesouro para “aliviar” o caixa (Arminio Fraga) e até mesmo de fazer um pedido de recuperação judicial (Sardenberg) o balanço não diz isso, pelo contrário. Entretanto, seria uma boa ideia se o governo fizesse aportes na Petrobras para acelerar os investimentos no pré-sal. A nosso ver, esta seria uma decisão oportuna, considerando o crescente interesse internacional nas nossas reservas

  • –  Cláudio da Costa Oliveira é economista aposentado da Petrobras.

Veja Mais

Alternativas para o setor petrolífero e para a Petrobras

Estudo parlamentar

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *